Leiria já tem um plano para resistir melhor às alterações climáticas

As medidas apresentadas no Plano de Adaptação às alterações climáticas pretendem adaptar as várias áreas da região às necessidades ambientais atuais.

Incêndios como o que devastou o pinhal de Leiria em 2017, mais mortes provocadas pelo calor, galgamentos das praias. Estas e muitas outras consequências das alterações climáticas estão à vista e os municípios começam a preparar-se para se adaptarem às mudanças. É o caso de Leiria que nesta sexta-feira apresentou o seu Plano Municipal de Adaptação às Alterações Climáticas de Leiria (PMAAC-L). O objectivo é dar início a um conjunto de acções planeadas de forma integrada, a fim de tornar o concelho mais “resiliente” às ameaças resultantes do aquecimento global.

O presidente da Câmara Municipal, Raúl Castro, acredita que este plano permite dar “o primeiro passo para afirmar Leiria como um concelho de vanguarda no que diz respeito à adaptação às alterações climáticas”, mas reconhece a necessidade de passar da teoria à prática. “No que diz respeito à salvaguarda do nosso território, vivemos um tempo em que não basta apregoar boas intenções duas ou três vezes por ano. Esta é uma luta diária”, acrescenta.

No concelho de Leiria estão identificados oito territórios vulneráveis, para os quais foram delineadas cerca de duas dezenas de medidas de acção, mais de uma centena de linhas de intervenção e 50 acções prioritárias.

São seis as ameaças tidas como mais urgentes: o aumento da temperatura do ar e dos eventos extremos de precipitação e vento forte; a subida do nível médio do mar; a diminuição da precipitação total e o aumento da frequência e severidade das secas. Para fazer face a estes riscos, o plano aponta 22 medidas de acção.

O objectivo é, em cada um dos parâmetros, preparar estruturas e mecanismos capazes de enfrentar o panorama climático actual e as suas alterações. Planeia-se, por exemplo, aumentar a resiliência dos espaços urbanos a temperaturas elevadas, reduzir o risco de incêndio, reduzir a exposição a cheias e inundações ou preservar a actual linha da costa.

Já as 54 acções prioritárias, definidas também no PMAAC-L, traduzem na prática o que ficou definido pelas mais de 20 medidas de acção.

A amenização térmica sazonal da Praça Rodrigues Lobo e imediações, a instalação de sistema de monitorização contínua do clima urbano ou a elaboração do guia municipal de arborização integram, por exemplo, as medidas para combater o aumento da temperatura do ar.

A praia de Pedrógão terá também de ser protegida da subida nível médio das águas do mar através de medidas como a alimentação artificial de areias.

Em relação aos incêndios florestais, estão apontadas medidas como a elaboração do cadastro florestal municipal ou a criação de uma unidade dos Bombeiros Municipais em prontidão na área de Colmeias e Memória.

Passa também a existir um apoio municipal financeiro e/ou fiscal à produção de espécies autóctones, bem como o prémio municipal de “produtor florestal do ano”.

Nos últimos 15 anos, o concelho de Leiria foi afectado por 36 eventos climáticos extremos, com “impactos e consequências significativas”. O problema mais frequente e com mais impacto na região tem a ver com temperaturas elevadas/ondas de calor, o que potencia incêndios e mais mortes (em 2003, registaram-se mais 56 óbitos do que o esperado).

Segundo o PMAAC-L, os incêndios florestais tiveram impacto significativo por todo o território, com maior incidência nas freguesias serranas do interior (como é o caso de Pedrógão Grande) e nas áreas de pinhal junto ao litoral.

As consequências variam: desde a destruição agro-florestal, que só nos incêndios de Outubro de 2017 foi de cerca de quatro mil hectares (mais de metade correspondendo apenas às Matas Nacionais do Urso e do Pedrógão), até ao aumento da mortalidade, danos em edifícios, viaturas e instalações e alfaias agrícolas.

Fonte: Público

10 de maio de 2019