Plano Estratégico Castelo Branco 2020

Ao finalizar o século XX, Castelo Branco ao mesmo tempo que evidencia uma atmosfera de prosperidade material e sócio-económica, apresenta-se como uma ilha num vasto território em desertificação e com uma limitada interacção com os pólos urbanos regionais e subregionais mais próximos, em Portugal e em Espanha.

Num contexto de correcto aproveitamento das novas acessibilidades, valorizando os modos rodo e ferroviário, Castelo Branco, no extremo sul do eixo urbano/regional Guarda – Covilhã – Fundão – Castelo Branco, poderá desempenhar um papel de cidade intermédia relativamente a pólos da rede urbana espanhola (Alcantara e sobretudo Cáceres) e aos pólos regionais imediatamente a sul: Portalegre e com maior intensidade, Abrantes/Tomar/Torres Novas, Entroncamento.

Para isso, Castelo Branco tem que se apetrechar e renovar no plano das infra-estruturas e, simultaneamente, criar uma imagem e uma personalidade que projectem a cidade para lá dos limites sub-regionais, ao mesmo tempo que reforce em todos os albicastrenses o sentido de pertença e orgulho na urbe.

O programa Castelo Branco 2020 é constituído por um conjunto limitado de intervenções que se querem mobilizadoras de um processo de regeneração da cidade, no sentido da recuperação da funcionalidade, da imagem e do ambiente urbano. Estes atributos irão conferir, naturalmente, maior competitividade a Castelo Branco nos domínios em que interessa projectar a cidade e que devem ter como propriedades prioritárias a robustez e o bom nível de remuneração, quer sejam indústrias, quer comércio ou serviços, do sector público ou do sector privado.

Ficha técnica

Área de Intervenção

Município de Castelo Branco

Cliente

Câmara Municipal de Castelo Branco

Ano

1999

Tipo

Programa de Regeneração Urbana